Voltar à página da ficção

 

FLÁVIA E JOÃO

 

PREFÁCIO DO AUTOR

      Este livro invoca, sobretudo, a saudade do `amor romântico´ de outros tempos (do amor sublimado `até que a morte nos separe´...), neste nosso tempo de amor incerto ...e de `amarga facilidade´ do divórcio...

     E é uma homenagem aos `contadores de histórias´. A todos os que gostam de ficar absorvidos no relato verosímil e se deleitam com o sentimento no discurso. A todos que se sentem gratificados por apreciarem literatura, mesmo que ela seja apodada de trivial, e não aceitam a submissão completa ao poderoso universo televisivo (via de regra centralizado na audiência, e para o qual o medo do «kitsch» não inibe ninguém...)

     Será ainda a experiência de tentar usar sempre uma linguagem simples, por mais complexos e difíceis que sejam os conceitos.

     Mas o autor não tem ilusões: É também uma tese... Este livrinho irá provavelmente ser criticado por quem exige que a arte literária tenha características mais elaboradas de significantes e de significado, ou, no outro extremo, por quem actualmente já dispensa (e até censura...) os métodos tradicionais de escrever. Com a devida vénia aos inovadores nas Letras e o reconhecimento devido à crítica construtiva, a intenção literária neste trabalho foi simplesmente `comungar a emoção´ ...contando uma história...

     Contando uma `história de amor´, indestrutível em vida, cuja catálise inicial foi realizada pelo toque de varinha duma `fada dos amores´ da amorável Ericeira...

  

ÍNDICE

A experiência do seminarista (.....nas suas férias na Ericeira)

Luísa  (..... as mulheres conquistarem o poder.)

O Magriço das Maminhas  (– É que tu és tão linda!...)

Canção  (Ao .....sonho verde dos teus olhos.)

As lágrimas de Luísa  (Nem todos os homens são maus...)

Cartas de amor  (..... do amor sublimado ....)

Discussão ao volante  (As carroçarias enfeixadas, .....)

João, João, João! (Julguei... que nunca mais... te via...)

Poema ao `sexo amor´ (Vou ficar grávida, vou?)

O campo de batalha  (..... será a sala de partos...)

A `Timãe´  (..... nem teria melhor nunca...)

Epílogo  (..... nem o senhor teria nascido...)

 

 

RESUMOS DO LIVRO

.....

      E Luísa continuava com as suas revoltadas ideias: “Já Platão dizia que as mulheres têm competência qualitativamente tão grande como os homens. Portanto, quando a formação for igual, então se verá aquilo de que o cérebro feminino é capaz, na sua extraordinária adaptação, paciência, bom senso, anseio pacificador e sentido dos valores fundamentais da vida.

      Os homens ainda vão levar um destes arrepios, que agora nem imaginam. Sim, porque a História mostra‑nos que os opressores acabam sempre, com o tempo, por serem substituídos pelos oprimidos. Aconteceu em muitas civilizações, não aconteceu? E o mesmo há­de acontecer com os homens: Os únicos que se permitirão vivos serão postos em recintos reservados, .....

.....

 

.....

      Quase todos a olhar para o mar, João só para Flávia... João deixou de ouvir a voz dos outros, o marulhar ruidoso das ondas, ... só ouvia Flávia... Nem reparava bem no que ela dizia. Flávia entrava‑lhe pelos ouvidos, volteava‑lhe na cabeça, descia‑lhe ao pulsar acelerado do coração... E fazia esforços para não fitar os olhos verdes, que até lhe metiam medo; ...mas via‑os nos braços, nas pernas, em todo o corpo dela.

.....

 

.....

    Parecia ter sido varada por um raio, e nem ela sabia explicar bem o que sentia. “É lá possível haver um homem assim...”

.....

 

.....

      As andorinhas da Ericeira chilreavam pelo céu. O dia brilhava de luz e de esperança. Mas..., na ampulheta daquele amor eterno, ...havia já muita areia caída...

 

Voltar à página da ficção